terça-feira, 11 de janeiro de 2011

A alimentação ajuda a aliviar o estresse


Trânsito ruim, pressão no trabalho, conflitos familiares e muitas outras situações cotidianas podem nos induzir a um elevado nível de estresse, refletindo no estado de espírito e no funcionamento de nosso organismo. Mas, como lidar com tudo isso sem deixar que nossa saúde seja prejudicada?




De acordo com a International Stress Management Association (ISMA), que estuda a prevenção e o tratamento do estresse no mundo, cerca de 70% da população brasileira possui alguma sequela decorrente desse estado. A psicóloga e presidente da ISMA, Ana Maria Rossi, explica que os sintomas podem ser desde físicos, emocionais ou até mesmo mentais.



Para aliviar e reduzir os mais diversos efeitos do estresse, especialistas indicam noites de sono bem dormidas, práticas esportivas e tempo para o lazer e atividades que possibilitem satisfação e melhorem o bem-estar do indivíduo. “Saber reconhecer e respeitar os próprios limites é um dos principais fatores de controle”, complementa Rossi.



Outra forma que também pode ser uma grande aliada é a ingestão de alimentos saudáveis, como explica o médico nutrólogo Durval Ribas Filho: “Uma dieta equilibrada, balanceada, constituída de muitos vegetais, com pouca gordura e pouco açúcar refinado pode ajudar o organismo a combater o estresse.”



Filho explica que quando passamos por situações estressantes, o organismo responde com a liberação de substâncias que modificam nosso comportamento hormonal e metabólico.



Por outro lado, uma dieta desequilibrada nutrologicamente pode acabar predispondo o organismo a um estresse orgânico, o que contribui para o aumento de processos inflamatórios e o aparecimento de diversas doenças.



Portanto, para manter o organismo saudável e longe das situações de estresse vale investir na alimentação. Abaixo, seguem algumas dicas dos profissionais:



- Procure ingerir uma grande variedade de verduras, legumes e frutas, alimentos ricos em ácidos graxos, ômega-3 e carnes brancas.



- Fracione as refeições, coma pequenas quantidades diversas vezes ao dia, evitando grandes quantidades e calorias demasiadas.



- Procure não exagerar nos doces, alimentos com açúcares e gorduras.



- Evite alimentos de alto índice glicêmico e procure manter o peso corporal dentro dos padrões de normalidade.





Veja também alguns alimentos que podem ajudar na redução do estresse:



Abacate – rica em ácido fólico, vitamina B3 e potássio, age sobre o sistema nervoso central, garantindo o efeito relaxante.



Alface – contém lactucina e lactupicrina, que atuam como calmante.



Banana – rico em triptofano, substância precursora da serotonina.



Castanha-do-pará – rica em selênio, melhora os sintomas de depressão e auxilia na redução do estresse.



Chá- verde – ajuda a afastar os riscos do estresse oxidativo. Rico em polifenóis, nutrientes antioxidantes que atacam os radicais livres das células cerebrais.



Espinafre e brócolis – ajudam a prevenir a depressão. Contém magnésio, fosfato, vitaminas A e C e do Complexo B, que garantem o bom funcionamento do sistema nervoso.



Laranja – rica em vitamina C, cálcio e vitaminas do Complexo B, promove melhor funcionamento do sistema nervoso, ajuda a combater o estresse e prevenir a fadiga.



Mel – rico em triptofano, tem ação calmante que induz a sensação de bem-estar. Ajuda na flora intestinal, responsável pela produção de serotonina, que dá mais disposição e sensação de prazer.



Peixes e frutos do mar – por conter zinco e selênio, contribuem para a diminuição do cansaço e da ansiedade.





*Dr. Durval Ribas Filho, Médico nutrólogo e presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran)






*Ana Maria Rossi é Ph.D. em Psicologia e presidente da International Stress Management Association (Isma-BR)



Taeq
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário